Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TRIBUNA de EduardoRibeiroAlves

«Daqui manifesto e apregoo a minha opinião, porque... sou LIVRE!»

TRIBUNA de EduardoRibeiroAlves

«Daqui manifesto e apregoo a minha opinião, porque... sou LIVRE!»

ME(R)DALHAS...

Já lá vão muitos anos... Ocupava pela primeira vez, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vila Real, o lugar de Deputado da Assembleia Municipal de Vila Real. Confesso que "tremia " um pouco de excitação, sentindo um "nervosinho" cá por dentro incomodativo. O líder do meu Partido (PS), Jacinto Cruz (já falecido!) pareceu-me nesse dia bastante nervoso e abeirando-se de mim disse-me:

- Você nao foi à Reunião de Preparação?!

- Pois não - gaguejei eu, não sabia...

- Não sabia?! Então não lhe telefonaram?!

- Não...

- Ah... então deixe lá, ainda não está na lista. Mas da próxima já estará!

Depois, o camarada Jacinto Cruz reparou numa folha A4 que eu tinha na mão e indagou?

- Que é isso?! Quer falar? Se quiser... pode lá ir. Bem falta que nos fazia que hoje isto está muito mau!  Vá lá antes da Ordem do dia. Quer que o inscreva?!

E os olhos do Jacinto brilhavam agora mais expectantes.. E eu senti então aquela velha hesitação e nervosismo, contra a qual lutei arduamente durante anos e anos e que me causa sempre prazer enorme quando, finalmente, a consigo vencer!

- S.....Ssssim! Inscreva-me lá!

Só depois comecei a olhar para o lado, para os Deputados Municipais dos outros Partidos... um do Partido Comunista, que pediu a palavra e que me agradou imenso, quer pelo discurso, quer pelo seu bigode sorridente ou mesmo castiço! Depois foram lá outros Deputados do CDS e do PSD. Deste Partido (PSD) destacava-se um Deputado Municipal de então, que me olhou de lado uma ou duas vezes...mas de soslaio. Depressa me apercebi que possuia um discurso pouco ou nada elaborado... mas muito "duro". O meu camarada do PS, o Artur Pimentel, de Lordelo, murmurou-me então ao ouvido:

- Caceteiros.... Só gostam de "dar porrada"! Mas não tenhas medo!...

E não tinha... mesmo! E eis que de repente o Presidente da Assembleia, pronunciou o meu nome, e quando me pus de pé e  comecei a falar todos olhavam para trás para me fitar (esqueci-me de dizer que estava na última fila cá do fundo!)

E falei, ou melhor comecei a ler a folha A4. Referi-me ao mundo rural e à grande discrepância entre este e a cidade. E disse que não podia tudo continuar assim, a cidade a absorver para si a maior parte das verbas e as pobres das aldeias a viverem miseravelmente... E falei das Escolas do 1º Ciclo sem condições, dos caminhos por limpar, das bermas das estradas, da falta de saneamento básico e sobretudo da então  "Lixeira da Portela".  No final sentei-me e...senti-me satisfeito, com a boca seca, mas com um sentimento e uma acalmia reconfortante.

A palavra foi dada de seguida a um Deputado do PSD, que me "fuzilou", quer com os olhos, quer na sua postura de nem se dirigir diretamente a mim:

- Não sei quem é este senhor, nem donde saiu e até me parece que nem da cidade é!...

Essas suas palavras doeram-se tanto.. e senti uma irritação enorme, mas o Jacinto Cruz, foi à Casa de Banho e ao passar por mim cá no fundo, segredou-me:

- Esteve muito bem... Não ligue ao que ele diz! Aqui quem não for da cidade está frito! Repare nos presidentes das juntas rurais... não vão abrir a boca toda a noite!

Valeu-me na reposição do meu estatuto que me estava a ser retirado (por não ser da dita cidade), o então Presidente da Câmara, Manuel Martins (também já falecido!):

- Senhor professor Eduardo, saudo-o e tenho muito gosto em vê-lo nesta Assembleia. Conhecemo-nos bem, quer dos Jantares de Natal Anuais com todos os professores do 1º Ciclo do Concelho, quer das Festas Escolares de Guiães, de Andrães e de outras Escolas, espalhadas pelo mundo rural e nas quais, como pode testemunhar, procuro estar sempre presente. Mas senhor professor Eduardo, deixe que lhe diga uma coisa, a cidade é de todos e as aldeias são de quem lá vive!

Sublinhei e negritei, porque repetiu vincadamente essas palvras... que jamais esquecerei.

Entretanto, o tal deputado do PSD... parece não ter gostado muito da intervenção do (seu) Presidente e comentava para o seu colega de bancada:

- Ora bem..bem!! Em frente em frente! Tanta importância para quem não tem importância nenhuma!

...

Os tempos passaram...Jacinto Cruz faleceu drasticamente e Manuel Martins também... E eu, hoje professor aposentado, já não sou deputado municipal, mas continuo do PS, ainda acreditando na sua "Matriz Ideológica, Social e Revolucionária" (expressão da minha responsabilidade), assente na Declaração de Princípios do Partido.  E, orgulhosamente, continuo a ser rural...isto é, vivo numa aldeia rural, habitando uma vivenda que adoro, centrada numa propriedade campesina com cerca de 6 mil metros quadrados!

O PS (onde me filiei há mais de 30 anos) é hoje Poder na Câmara Municipal do meu concelho, onde sou nado e criado! E eu também ajudei a "conquistar" esse tal Poder! Mas, sinceramente, tenho muitas dúvidas se o exercício desse Poder se harmoniza mesmo à (nossa) Declaração de Princípios, versus à tal "Matriz "!... Por diversas razões... que não importará referir por aqui agora!

...

Ontem, dia 20 de Julho, e ao que parece, foi o 91º Aniversário da Cidade de Vila Real. Confesso que nem me lembrei... andei cá pelo meu "paraíso" entretido todo o dia e nem quis saber de mais nada! Mas vejo agora as imagens nas redes sociais e na imprensa local, alusivas à cerimónia de atribuição ou imposição de Medalhas de Mérito Municipal, ou coisa que o valha! Ninharias para mim, confesso, daí que já meio ensonado me preparava para desligar o computador quando... dei um salto na cadeira:

- O quê?!!!!!!!! Um dos medalhados pelo meu Partido é o  tal ex-Deputado Municipal do PSD, a que me referi há pouco!...  Credo!!!!!!!

....

"Oh, Jacinto Cruz... pronto descansa em paz! Não ligues... mas como vês a Política por cá é só ME(R)DALHAS!"

Os nossos ou os outros?! Eis a questão!

Confesso que tenho pensado muito neste dilema: Os nossos ou os outros?!

Bem, para os mais curiosos, falo mesmo de POLÍTICA , mas a sério, de "olhos nos olhos"!  Acompanhem-me só um bocadinho nestes CONSIDERANDOS, para depois concordarem (ou não),  com a minhas CONCLUSÕES:

Vamos então aos CONSIDERANDOS:

  • CONSIDERANDO QUE  existe uma "Matriz Ideológica, Democrática e mesmo Revolucionária" em determinado Partido Político, a qual nos serviu de pano de fundo ou mesmo argumentário ao longo dos anos, enquanto Oposição...
  • CONSIDERANDO QUE essa Matriz Ideológica, Democrática e mesmo Revolucionária, deveria servir de Guia, de Inspiração, ou se quisermos de GPS, quando, finalmente e após anos e anos de lutas e combates... conseguimos ser Poder...
  • CONSIDERANDO (ainda) QUE não é isso o que tem vindo a suceder, porque os Nossos, uma vez chegados ao Poder, fazem e comportam-se afinal e exatamente como os Outros...com favorecimentos pessoais e institucionais, com compadrio a "Lobos e a Lobies", com amesquinhamento e achincalhamento dos mais puros de nós e até... com desrespeito e minagem da própria democracia interna dentro do (seu??)  próprio Partido...
  • CONSIDERANDO (e finalmente) QUE não existe, ao nível da tal "Matriz Ideológica, Democrática e mesmo Revolucionária", qualquer progresso, sendo então de questionar se, mesmo assim, será preferível manter lá os NOSSOS ou deixar ou mesmo facilitar que para lá voltem os OUTROS... 

??????

 E agora vamos às CONCLUSÕES:

  • CONCLUSÃO 1- Se não existe garantia por parte dos NOSSOS, que estão no Poder, de irem cumprir a tal "Matriz Ideológica, Democrática e mesmo Revolucionária" , então se conclui  que se torna indiferente ou mesmo irrelevante que os NOSSOS permnaneçam no Poder, ou que os OUTROS o reconquistem!
  • CONCLUSÃO 2- A não existir garantia de cumprimento da tal "Matriz Ideológica, Democrática e mesmo Revolucionária" , por parte dos NOSSOS, nem pela parte dos OUTROS, então a única diferença é dum determinado "lote" ou mesmo "elite" de pessoas, do lado dos NOSSOS ou do lado dos OUTROS, que se comportam exatamente da mesma maneira...com o tal compadrio, favorecimento pessoais e institucionais e sobretudo "calculismo  desenfreado" no sentido de se manterem o mais tempo possível no Poder, bem como de auto se promoverem e mesmo, como se diz por aí (??) de enriquecerem ilicitamente...
  • CONCLUSÃO 3- Apesar de em termos de "Matriz Ideológica, Democrática e mesmo Revolucionária" , ser "indiferente ou irrelavante" continuarem os NOSSOS no Poder ou os OUTROS o reconquistarem; para efeitos de LUTA e COMBATE a favor dessa mesma Matriz  é SEMPRE MENOS MAU estarem lá os OUTROS que os NOSSOS! É que com os NOSSOS lá, a tal LUTA e COMATE a favor da Matriz é muito mais difícil, devido à falta de democracia interna, de debate e de discussão política, bem como à divisão interna, que é enorme e sobretudo à confusão política, ideológica e mesmo ética, que  é constante e fraturante...
  • CONCLUSÃO FINALOs nossos ou os outros?! Eis a questão! Bem, se os NOSSOS fazem na mesma como os OUTROS... então é preferível os OUTROS, porque assim os NOSSOS passam por uma "seleção natural", ou mesmo por um crivo ideológico e uma grande parte (o joio, ou seja aqueles que se filiaram à pressa ou os simples "mamões") vai-se simplesmente embora e a outra parte (o trigo, ou seja aqueles poucos e raros que têm sensibilidade política, democrática e ideológica para os Princípios da Matriz) fica e permanece na LUTA e no  COMBATE! E sem dúvida que lutar e combater é sempre mais fácil, quando sabemos  "onde está o inimigo" e, sobretudo, quando à nossa volta e ao nosso lado, sentimos o pulsar dos nossos autênticos e fiéis camaradas e amigos!

E, já agora, e como MESTRA final o pensamento de  Sérgio Vaz: (fantástico!!!).

Muito bem, Sérgio Vaz, eu assim farei!

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D